17 de outubro de 2016

Três ameaças à saúde espiritual da igreja

Hernandes Dias Lopes 

A igreja de Deus tem sido atacada com fúria pertinaz e, isso, desde as mais priscas eras. Muitas artimanhas têm sido usadas contra ela. Armas de grosso calibre têm sido empregadas para atingi-la e enfraquecê-la. Porém, quero aqui, destacar três ameaças assaz perigosas que conspiram contra a igreja ainda hoje.

Em primeiro lugar, o liberalismo teológico. O liberalismo teológico é filho do Racionalismo. O homem do topo de sua pretensa sabedoria colocou-se como juiz das Escrituras, e pôs sua razão acima da revelação. Passou a rejeitar como verdade tudo aquilo que sua razão não podia explicar. Assim, passaram a negar os milagres. Fizeram uma releitura da Bíblia e passaram a negar sua inerrância e infalibilidade. Trouxeram à baila aquilo que consideraram erros, contradições e impropriedades. Chegaram a ponto de afirmar que a Bíblia estava cheia de mitos e que precisava ser desmitologizada. O liberalismo, negando a inspiração das Escrituras, esvaziaram-na de seu sublime conteúdo. Negando sua origem divina, tiraram dela sua autoridade. Os teólogos liberais viram a Bíblia apenas como um livro comum, sujeito a erros e falhas. Por isso, o liberalismo tornou-se a maior ameaça à igreja. Ao entrar nos seminários teológicos, transformou a cátedra em laboratório de incredulidade e espalhou dali o veneno letal do ceticismo. Das cátedras esse veneno desceu aos púlpitos e dos púlpitos matou as igrejas. Não há antídoto para uma igreja que se capitula ao liberalismo. Onde ele chega, a igreja adoece e morre. Como a teologia é mãe da ética, onde o liberalismo avança, a ética cristã recua. Precisamos vigiar para que esse perigo tão devastador não nos fira de morte. É mister manter a sã doutrina!

Em segundo lugar, o sincretismo religioso. Se o liberalismo teológico tira das Escrituras o que nelas estão, o sincretismo religioso acrescenta a elas o que não se pode a elas adicionar. A Bíblia tem um capa ulterior. O cânon das Escrituras está completo. As revelações cessaram. Não podemos buscar novidades forâneas às Escrituras, mas devemos a elas nos apegar. Não podemos nos desviar nem para a direita nem para a esquerda. É um insulto à Palavra de Deus introduzir novidades na pregação. É um sinal de clara apostasia as pessoas buscarem gurus espirituais para receberam deles novas revelações. É uma abominação para Deus criar rituais e cerimônias e introduzi-las no culto, como se Deus já não tivesse prescrito a forma como deve ser adorado. Hoje, multiplicam-se os falsos profetas, com falsos ensinos, realizando falsas cerimônias, com falsos rituais, enganando os incautos, mercadejando, assim, a Palavra de Deus. Esses aventureiros da fé, pervertem o evangelho, transtornam a igreja, fazendo dela uma empresa, do púlpito um balcão, do templo uma praça de negócios e dos crentes consumidores. O vetor que move esses atravessadores da fé é o lucro. São lobos vestidos com peles de ovelhas. São falsos pastores que exploram o rebanho em vez de apascentá-lo. Devemos nos acautelar para que essa ameaça tão devastadora não atinja a igreja!

Em terceiro lugar, a ortodoxia morta. A ortodoxia é a doutrina certa e a doutrina certa é boa, necessária e insubstituível. Entretanto, a ortodoxia precisa vir acompanhada de vida piedosa. Não basta crer na verdade, é preciso viver a verdade. Não basta subscrever as doutrinas certas, é preciso deleitar-se nelas. Não basta ter luz na cabeça, é preciso ter fogo no coração. A ortodoxia morta é aquela que está desidratada e ossificada e, por isso, leva seus seguidores a perderem o entusiasmo. As pessoas professam conhecer a Deus, mas o negam com sua vida. São ortodoxas de cabeça, mas hereges de conduta. Há muitos crentes que detectam, com facilidade, a heresia nos outros, mas não enxergam a apatia espiritual em si mesmos. Como a igreja de Éfeso, defendem a sã doutrina, perseveram no sofrimento e até erguem o estandarte da ética cristã, mas já não desfrutam mais da alegria indizível e cheia de glória da comunhão com o seu Salvador. Muitas igrejas já abandonaram o seu primeiro amor. Colocaram a vida cristã no piloto automático e tudo passa a acontecer de forma mecânica e sem vigor. Essas pessoas não têm mais fervor. Não têm mais entusiasmo com as coisas de Deus. Oh, que Deus nos livre da ortodoxia morta! Que o nosso coração possa arder de amor por aquele que, sendo Deus se fez homem, sendo santo se fez pecado, para morrer por nós e nos dar vida plena, maiúscula, superlativa e eterna.

Disponível em: 

11 de outubro de 2016

VIGÍLIA DO DIA MUNDIAL DO ESTUDANTE



Oi, gente! Passando pra convidá-los para a vigília do Dia Mundial do Estudante que a ABU São Luís promoverá este ano. Para quem não sabe, uma explicação rapidinha:
A ABUB (
Aliança Bíblica Universitária do Brasil), faz parte da IFES - International Fellowship of Evangelical Students (a Comunidade Internacional dos Estudantes Evangélicos). Todo ano a IFES incentiva os grupos locais a separarem um tempo de oração pelos estudantes do mundo todo. Ou seja: é todo mundo, do mundo to...do, orando pelos estudantes, simultaneamente!
Feita a explicação, confirmem a presença aqui: https://www.facebook.com/events/1705302639797250/
e colem lá, convidem seus amigos que são estudantes, que fazem parte ou não da ABUB, convidem também os que não são mais estudantes, mas apoiam a missão estudantil de alguma maneira, convidem seus líderes, pastores, familiares, faça parte!

Steff de Castro
GB São Luis

12 de setembro de 2016

OS DEZ PASSOS COM SPURGEON NA ESCOLA DO SOFRIMENTO



Por Josemar Bessa

Nos dias de Spurgeon turistas americanos que retornavam da Inglaterra eram recebidos com duas perguntas: "Você viu a rainha?” e 'Você ouviu Spurgeon?'” "(AP Peabody," Spurgeon, " North American Review 86 [1858], 275). Na verdade, a memória do ministério de Spurgeon se tornou imortal.


Mas Spurgeon em si foi muito mortal. O pregador não foi de forma nenhuma à prova de balas. Na verdade, na maior parte de sua vida, Spurgeon cuidou de feridas profundas e lutou para lidar com uma miríade de doenças físicas e dramas emocionais.

Em 1867 Spurgeon sofreu seu primeiro ataque de nefrite crônica, ou doença de Bright (inflamação renal semelhante ao lúpus). Aos 35 anos ele foi diagnosticado com gota, uma inflamação das articulações ( numa época sem os alívios da medicina moderna). Em 1886, ele disse: "Quando eu estou nos dias mais difíceis da crise de gota, se alguém anda pesadamente e ruidosamente do outro lado da sala, eu sinto dor" ( MTP 49: 234). Em uma carta ao seu irmão, ele escreveu: "De tanta dor eu pensei que uma cobra havia me mordido e enchido minhas veias com veneno" ( Autobiography 3: 134).

Tantas dicas medicinais chegaram de amigos e familiares que Spurgeon disse que ele "estaria morto há muito tempo se tivesse tentado metade delas" ( ST 4, fevereiro de 1875).

Spurgeon também sofria de profundas crises de tristeza. "Não creio que haja qualquer pessoa neste lugar que já tenha tido ataques mais fortes de depressão de espírito do que eu mesmo tenho tido pessoalmente" ( MTP 15: 640). Depois de testemunhar sete pessoas pisoteadas até a morte, ele disse: "A simples visão da Bíblia me faz chorar – como posso pregar de novo?" ( MTP 37: 383-84).

Embora seja difícil diagnosticar os mortos, uma coisa é certa: Spurgeon viveu no centro das atenções e ao mesmo tempo da sombra profunda.

Em um sermão " Songs in the Night ", Spurgeon revelou a luta do cristão tentando louvar a Deus no escuro:

“É fácil cantar quando podemos ler as notas na luz do dia; mas é um cantor mais hábil aquele que pode cantar quando não há um raio de luz através da qual se possa ler, - que canta com o coração, e não a partir de um livro que ele possa ver, porque ele não tem meios de leitura, salvo o livro de seu próprio espírito vivo, de onde as notas de gratidão derramam cânticos de louvor na noite escura” ( MTP 44: 98-99).

O ministério de Spurgeon provocou um incêndio em todo o mundo porque foi forjado, com certeza, no fogo. "Eu acho que teria sido menos doloroso ter sido queimado vivo na fogueira do que passar por esses horrores e depressões de espírito" ( MTP 53: 137-38).

No entanto, mesmo no calor da crítica pública, assassinato de caráter, contratempos físicos e desafios emocionais, Spurgeon experimentou a bondade profunda de Deus.

Spurgeon viu as dificuldades como o martelo de Deus moldando pecadores em santidade e canalizou sua sofrimento em seus sermões. Não admira como a classe que trabalhava e sofria terrivelmente foi magnetizada por ele. "Você deve passar pelo fogo", disse ele, "se você quiser ter simpatia com outras pessoas que pisam as brasas" ( MTP 32: 590).

Aqui estão dez citações com seus contextos, forjados na bigorna da própria aflição de Spurgeon:

1. "A tempestade tem um gosto tênue em sua boca".

"Talvez, neste exato momento, no porão, ou em alguma cabine, nono meio do barulho e tumulto da fúria do oceano, quando muitos estão alarmados, há cristãos com faces calmas, esperando pacientemente a vontade de seu Pai, se deverá ou não andar em direção a porta do céu, ou para ser poupado para voltar à terra, no meio de provações e lutas da vida mais uma vez. Eles sentem que eles são bem tratados, eles sabem que a tempestade é um tênue sabor em sua boca, e que Deus o manterá e nada pode prejudicá-los; nada pode acontecer com eles, mas apenas o que Deus permitir ".

“Safe Shelter” (MTP 15, Sermon 902, p. 650).

2. "A maior bênção terrena que Deus pode dar a qualquer um de nós é a saúde, com exceção da doença".

"A saúde está diante de nós como se fosse a grande coisa a se desejar acima de todas as outras coisas. É assim? Atrevo-me a dizer que a maior bênção que Deus pode dar a qualquer um de nós é a saúde, com exceção de doença. A doença tem sido frequentemente mais útil para os santos de Deus do que a saúde. Se alguns homens, que eu saiba, pudessem ser favorecidos com um mês de reumatismo, seriam, pela graça de Deus, adocicados maravilhosamente. "

C. H. Spurgeon, “The Minister in These Times” in An All-Round Ministry (Banner of Truth, 2000), p. 384, italics in the original.

3. "Os homens nunca vão se tornar grande no conhecimento de Deus até que se tornem grandes em sofrimento".

"Os homens nunca vão se tornar grande no conhecimento de Deus até que se tornem grandes em sofrimento. 'Ah!' Lutero disse: 'aflição é o melhor livro na minha biblioteca;' e deixe-me acrescentar, a melhor folha no livro de aflição é a mais negra de todas as folhas, a folha chamada peso, quando o espírito afunda dentro de nós, e não podemos suportar como poderíamos desejar. E mais uma vez; esse peso é de uso essencial para um cristão, se ele será usado por Deus para o bem aos outros. . . . Não há nenhum servo de Deus tão suave como aqueles que foram esfolados. Aqueles que estiveram na câmara da aflição sabem como confortar aqueles que estão lá. Não acredito que qualquer homem vai se tornar um bom médico, a menos que ele ande nos hospitais com paciente; e tenho a certeza de que ninguém vai se tornar mais parecido com Cristo, ou tornar-se um Consolador, a menos que ele se encontre no hospital da vida, bem como caminhando através dele, e tendo que sofrer ele mesmo primeiro."

“The Christian’s Heaviness and Rejoicing” (NPSP 4, Sermon 222, p. 461).

4. "É melhor ser ensinado pelo sofrimento do que ser ensinado pelo pecado!"

"Talvez não haja nenhuma maneira de nos ensinar tão completamente a baixeza do nosso coração como quando somos deixados segundo nossos recursos; talvez nunca saberemos nossa loucura, a menos que soframos como um tolo desmascarado pela dor, mas oh nos livre, Senhor! Evite por tua graça! É muito melhor ser ensinado pelo sofrimento do que ser ensinado pelo pecado! Melhor sofrer no calabouço de Deus do que se deleitar no palácio do diabo".

“Hezekiah and the Ambassadors, Or Vainglory Rebuked” (MTP 12, Sermon 704, p.438).

5. "As nossas enfermidades se tornar o veludo negro sobre o qual o diamante do amor de Deus ainda parece mais brilhante".

"A graça é dada para nos livrar do pecado, que é uma grande bênção; mas o que é o bem maior da graça exceto quando ela está presente no momento em que o julgamento vem? Certamente, a graça que não permanece firme na hora da tentação ou aflição, é um tipo muito espúrio da graça; e é melhor se livrar dela, se nós a temas, pois não é verdadeira. Quando um filho de uma mulher piedosa morre, o marido infiel vê a fé da mãe sendo consolada na dor. Quando o navio vai para baixo e se perde no mar, o comerciante ímpios se surpreende com renúncia do comerciante que está em Cristo. Quando dores disparam através de nosso corpo e a morte medonha aparece a vista, as pessoas vêem a paciência do cristão morrendo. Nossas enfermidades se tornam então o veludo negro sobre o qual o diamante do amor de Deus se mostra mais intensamente brilhante. Graças a Deus eu posso sofrer, graças a Deus eu posso ser objeto de vergonha e desprezo; para, que desta forma, Deus seja glorificado. "

“A Wafer of Honey” (MTP 52, Sermon 2974, p. 80).

6. "Cristão, Jesus não sofreu de modo a excluir o teu sofrimento".

"Cristão, Jesus não sofreu de modo a excluir o teu sofrimento. Ele carregou uma cruz, não para que você possa escapar da sua, mas para que você possa suportar. Cristo nos isenta do pecado, mas não da tristeza. Lembre-se disso e espere sofrer ".

C. H. Spurgeon, Morning and Morning (New York: Sheldon and Company, 1865), April 5, p. 96.

7. "Não há Universidade para um cristão como a da tristeza e provação".

"Israel precisava adquirir educação. O Senhor não estava indo para levar uma multidão de escravos para Canaã... para se comportarem como escravos lá. Eles tiveram que ser tutelados. O deserto foi a Oxford e Cambridge para estudantes de Deus. Lá eles foram para a Universidade, e Ele os ensinou e os treinou, e tiveram que obter sua graduação antes de entrar na terra prometida. Não há Universidade para um cristão como o da tristeza e provação ".

“Marah Better Than Elim” (MTP 39, Sermon 2301, p.151).

8. "Há momentos em que não conseguimos mais chorar, mas o Espírito geme em nós".

"Não somos nós mesmos que choramos? Sim, com certeza; e ainda assim o Espírito clama em nós também. As expressões estão corretas. O Espírito Santo pede e inspira o clamor. Ele coloca o grito no coração e na boca do crente. É seu clamor e gemido porque Ele sugere, aprova e nos educa através dele. Nós nunca teríamos gemido assim, se ele não tivesse primeiro nos ensinado o caminho. . . . Há momentos em que não podemos chorar em tudo, e, em seguida, ele grita e geme em nós. Há épocas em que dúvidas e medos são abundantes, e assim nos sufocam com suas emanações que não podemos sequer levantar um grito, e então o Espírito que habita em nós nos representa, e fala para nós, e intercede por nós, chorando em nosso nome. "

“Adoption –The Spirit and the Cry” (MTP 24, Sermon 1435, p. 537, italics in the original).

9 . "Meu caro amigo, quando o teu sofrimento te leva para o pó, adorore lá!"

"Meu caro amigo, quando o teu sofrimento te pressionar e te levar para o pó, adore lá! Se esse lugar tem vindo a ser teu Getsêmani, então ali apresente teu grande clamor e lágrimas "ao teu Deus. Recorde as palavras de Davi, "eu derramo o meu coração," - mas não pare por aí, termine com ele, - “eu derramo o meu coração diante dele." Vire o recipiente de cabeça para baixo; isso é uma coisa boa para esvaziá-lo, pois essa dor pode fermentar em algo mais azedo. Vire o recipiente de cabeça para baixo, e deixe cada gota correr para fora; mas que seja diante do Senhor. 'Ó, derrame teu coração diante dele: Deus é o nosso refúgio. "Quando estão abatidos debaixo de um pesado fardo de tristeza, em seguida, se prostre e adore o Senhor em uma entrega total de si mesmo à vontade divina. "

“Job’s Resignation” (MTP 42, Sermon 2457, p. 134).

10. "Não tenha medo da tempestade, ela traz a cura em suas asas, e quando Jesus está com você no barco a tempestade somente acelera o navio para seu porto desejado".

"Eu, pregando a vocês nesta hora, quero dar o meu testemunho de que os piores dias que eu já tive, acabaram por ser meus melhores dias... e quando Deus parecia mais cruel para mim, ele então sido tem sido mais gentil. Se houver qualquer coisa neste mundo para o qual eu o adore mais do que por qualquer outra coisa, é pela dor e aflição. Estou certo de que nestas coisas o mais rico amor e ternura se manifestou para mim. Os vagões do Pai Nosso ressoam mais fortemente quando eles estão nos trazendo o frete mais rico da abundancia de sua graça. Cartas de amor do céu são muitas vezes enviados em envelopes negros. A nuvem que é negra com horror é grande com misericórdia. Não temas a tempestade, ela traz a cura em suas asas, e quando Jesus está com você no barco, a tempestade apenas pode acelerar o navio para seu porto desejado. "

“Ziklag; Or, David Encouraging Himself in God” (MTP 27, Sermon 1606, p. 373).

***
Fonte: Josemar Bessa, via Ministério Beréia

6 de setembro de 2016


SEJA FORTE NO SENHOR!





"8 - Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite, para que você cumpra fielmente tudo o que nele está escrito. Só então os seus caminhos prosperarão e você será bem sucedido.
9 - Não fui eu que lhe ordenei? Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem se desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar"...
Josué 1:8,9

Deus deu uma palavra para Josué para que ele não tivesse medo ou se preocupasse  com as circunstancia, mas somente que ele pudesse crê. A ordem do Senhor era para que Josué continuasse a viver o que Moises tinha ensinado (1:5) e em todo o tempo fosse corajoso, não deixando de falar da Lei do Senhor, ou seja, da sua Palavra revelada. 

O Senhor insiste em que Josué tenha constância na meditação na sua Palavra para que assim fosse cumprido toda a vontade do Senhor revelada na sua Palavra, dando uma promessa para o seu servo de que, se ele estivesse vivendo toda a vontade do Senhor tudo o que ele fizesse seria bem sucedido e que todos os seus caminhos seriam prósperos.

Vemos o caráter de Deus sendo revelado, sendo um Deus Fiel, mas cobrando somente de Josué a sua total devoção. E quando Josué se ver diante de uma grande tribulação ou um novo desafio, Deus da uma ordem ao seu servo: "...SEJA FORTE E CORAJOSO!..." (1:9) mesmo diante de um novo desafio ele não precisaria ter medo, pois o Pai estava com ele.

Você esta se sentindo valente? Não?!... relaxa e descansa no Senhor, "Não se apavore, nem se desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com VOCÊ por onde você andar" (1:9).

Lucas A M Barros

Você Está Comigo (feat. Ana Rock)

André Aquino

Quando eu não sei pra onde vou correr
Quando a falta de fé me faz tremer
Quando a noite cai e a neblina vem me cercar
Quando o medo bate a porta pra me tentar

Perfeito amor
Lança fora todo meu temor
Não me abalarei
Pois eu sei

Que você está comigo
Eu não temerei
Eu não estou só pois sei

Eu não temerei, eu não temerei
Eu não temerei, o mal
Eu não temerei, eu não temerei
Eu não temerei, o mal

Pois você está comigo
Eu não temerei
Eu não estou só pois sei
Que você está comigo


5 de setembro de 2016

A IMPORTANCIA DA ORAÇÃO




Orar nem sempre é gratificante para a natureza humana, para a carne. Há coisas que nos dão mais prazer do que orar. Mas a oração é um dever. O não cumprimento desse dever causa danos irreparáveis na vida cristã. A pergunta é esta: Como tornar prazeroso o cumprimento do dever da oração? Cremos que a prática da oração se torna prazerosa quando temos consciência da sua importância. A ORAÇÃO É IMPORTANTE PORQUE ELA SE FUNDAMENTA NA NOSSA COMUNHÃO COM O DEUS TRINO.

1º – A ORAÇÃO SE FUNDAMENTA NO AMOR DO PAI

1. O Pai nos recebe na sala do trono (Hebreus 10.19-22). Seria uma honra para qualquer brasileiro ser recebido em audiência pelo Presidente da República. No entanto, o cristão mais humilde pode chegar à presença do Rei dos reis e do Senhor dos senhores pela mediação de Jesus para (a) agradecer, (b) confessar os pecados, (c) adorar, (d) suplicar e (e) interceder. Quando tudo o que nos preocupa é colocado diante de Deus em oração (Filipenses 4.6), a nossa mente e o nosso coração são guardados e protegidos pela paz de Deus que excede toda a compreensão humana (Filipenses 4.7).

2. O Pai dá boas coisas aos seus filhos (Mateus 7.7-11). As boas coisas que Deus nos dá pode às vezes contrariar o nosso egoísmo, mas podemos ter certeza de que ele dá sempre o melhor para os seus filhos! Os pais humanos podem falhar, mas o Pai celestial jamais falha!

3. O Pai quer que os seus filhos experimentem a sua vontade que é boa, perfeita e agradável (Romanos 12.1-2; 1 João 5.14-15). A oração deve ser feita em harmonia com essa vontade de Deus porque o nosso Pai é soberano e sabe o que é melhor para nós e quando deve responder nossas orações. A fé nos sustenta na fase da espera (Lucas 18.8) e quando perseveramos podemos dar testemunho (Salmo 40.1-3).

2º – A ORAÇÃO FUNDAMENTA-SE NA GRAÇA DO FILHO

1. Deus vem a nós através do Filho (João 1.14). A religião é o esforço feito pelo homem para chegar até Deus; mas a graça é Deus vindo até nós através do seu Filho (Apocalipse 3.20). É Jesus quem diz: “Eis que estou à porta e bato”. Em Jesus, Deus vem ao nosso encontro. Isto é pura graça! Para que possamos orar, é necessário abrir o coração e receber Jesus. Oramos quando temos comunhão íntima com o Pai através do Filho. Orar é conversar com o Deus que habita em nós.

2. Jesus é o nosso mediador (1 Timóteo 2.5). Só através dele podemos chegar ao Pai (João 14.6). Portanto, chegamos ao Pai em nome de Jesus (João 14.13-14; 15.16.23-23). Ele abriu esse caminho de acesso ao Pai através do sacrifício da cruz (Hebreus 1.19-20; 2 Coríntios 5.18-19, 21). Ele se coloca entre o Deus justo e o homem pecador e intercede com base no que ele fez por nós (Hebreus 7.25; 1João 2.1). Em João 1.14 está escrito que Ele é cheio de GRAÇA e VERDADE! A graça e a verdade precisam se encontrar (Salmo 85.10) para sermos salvos e termos uma vida de oração (1 João 1.8-9).

3. Em Cristo somos filhos e temos direito de pedir (João 1.12; Romanos 8.16-17). Esse direito é nosso pela graça. Não são nossos méritos que nos dão ousadia para entrar no santo dos santos, mas a graça de Jesus. Portanto, a base da oração é a fé em Jesus e a confiança plena no seu sacrifício por nós. Em nome de Jesus, podemos chegar ao Pai mesmo quando não estamos nos sentindo bem.

3º – A ORAÇÃO FUNDAMENTA-SE NA COMUNHÃO DO ESPÍRITO

1. A comunhão do Espírito envolve a nossa comunhão com o Pai e com o Filho na unidade do Espírito Santo (1 João 1.3; Efésios 4.3). Deus é o nosso Pai e o seu povo é a nossa família. Não é possível comunhão com Deus sem comunhão com os irmãos nem comunhão com os irmãos sem comunhão com Deus (1 João 4.20). Mesmo quando oramos sozinhos, dirigimo-nos a Deus como o Pai nosso e todas as petições são feitas no plural (Mateus 6.9-15)

2. A comunhão com os irmãos é essencial: a) na oração individual (Mateus 5.23-24). Quando há ofensa, as orações não são ouvidas nem respondidas (1 Pedro 3.7); b) na oração comunitária (Mateus 18.15-20).

3. O auxílio do Espírito Santo. A oração é algo tão sublima que está além da nossa capacidade. Por isso, dependemos ao auxílio do Espírito Santo em nossas fraquezas (Romanos 8.26-27). Todos podemos cumprir o dever da oração com o auxílio do Espírito Santo.

Conclusão

Nesta mensagem aprendemos que a oração cristã, de acordo com a Palavra de Deus, é feita ao Pai, em nome de Jesus e com o auxílio do Espírito Santo. Ela está fundamentada no Deus trino: Pai, Filho e Espírito Santo!

Podemos orar diretamente a Jesus e ao Espírito Santo? Sim, em circunstâncias especiais, quando conversamos com Jesus e com o Espírito Santo (Atos 7.59; Apocalipse 22.17). Devemos orar com atenção para não acontecer de invocarmos a Jesus, continuar falando com o Pai e terminando em nome de Jesus.

O essencial é que a oração e a Palavra é o meio de comunicação com Deus. Feita de acordo com a orientação bíblica ela glorifica o Pai, nos edifica, e manifesta no mundo o poder de Deus! Quando oramos de acordo com a Palavra, Deus faz justiça, ele salva, ele age!
www.ejesus.com.br

5 de março de 2015

Você sabia?

Você sabia que a ABU promove o gosto e o desenvolvimento da leitura dentro do movimento?



Toda ABU local tem o secretário de literatura, este tem como um dos objetivos:
  1. Promover o incentivo à leitura aos cristãos e não cristãos, através de literaturas com conteúdo bíblico para crescimento espiritual/intelectual dos mesmos.  
  2. Capacitação dos ABUenses sobre questões diversas, particularmente do ambiente universitário;
  3. Desenvolver formas criativas de evangelismo tendo a literatura como suporte prático;
Para promover e capacitar nossos companheiros estudantes utilizamos algumas formas de incetivo como Clube do Livro e também leituras obrigatórias de autores renomados como John Stott e Francis Schaeffer para poderem participar dos nosso eventos locais, regionais ou nacionais ( Conselho Regional, Grupo Base, Treinamento de Líderes, Conselho nacional).






CLUBE DO LIVRO:
O Clube do Livro é um projeto da ABU  onde nos propomos a ler um livro durante um certo tempo, com encontro quinzenais ou mensais (fica a escolha do grupo) para discutirmos sobre o que lemos, o que achamos interessante e compartilharmos uns com os outros. por falar em clube do livro, esse ano leremos o livro Discípulo Radical - John Stott


E como as ABUs locais obtém os livros? Você pode estar se perguntando. A ABU além de ter sua própria editora (ABU Editora) a mesma tem parceria com a editora Ultimato! O secretário de literatura fica encarregado de fazer os pedidos dos livros que você tem interesse, solicite o catálogo com o secretário e veja os valores. Os preços são os mesmo do site e o frete é grátis.

Saiba também que você fazendo isso ajudará no sustento do movimento! Poderemos enviar nossos ABUenses aos treinamentos regionais e nacionais, como também promovermos o nosso. Desenvolver em sabedoria e atitude para levarmos o evangelho às universidades.    


20 de fevereiro de 2015

Carta a todos os ABUenses de São Luis!

“E sereis minhas testemunhas...”
De São Luís para o Instituto de Preparação de Líderes da ABUB.

   Saudações, irmãos ludovicenses, eis que vos escrevo para contar um pouco sobre a experiência que tive no período de 11 a 29 de janeiro de 2015 no Acampamento Mackenzie Cabuçu em Guarulhos – SP. Foram dias de muito aprendizado e, em certa medida, santas inquietações. Muitas delas. Antes de mais nada, quero agradecer a todos aqueles que, de alguma forma, cooperaram para que fosse possível que eu participasse do treinamento: o GB, os obreiros da região, amigos da UFMA, amigos de outras universidades e, enfim, todo mundo mesmo que tenha ajudado com orações, doações, dicas e apoio. Agradeço a Deus pela graça dEle que foi notória por meio de vocês!

    De volta ao Instituto em questão, posso dizer que desde as leituras prévias é possível notar um propósito de nos conscientizar acerca do serviço cristão como cooperadores da Missão de Deus, tendo isso como pressuposto para uma liderança saudável. Além disso, por termos estudado o livro de Atos, muito aprendemos sobre a primeira igreja e, por meio de seus exemplos, se tornou possível compreender a relação entre nossa identidade em Cristo, nosso testemunho e nossa missão na terra.

   “Quem é você?” Ao sermos questionados acerca disso, a resposta óbvia é que falemos nossos nomes, definidos nesta sociedade pelos nossos pais e isso como toda nossa identidade terrena é definida a partir de parâmetros sociais construídos ao longo de nossas vidas. Contudo, em Cristo, por meio do Espírito Santo, temos a capacidade de nascer de novo e ter nossa identidade pautada não mais na forma como o mundo vê a realidade, mas nos é dada a capacidade de nos reinventarmos em Cristo. Esse processo de renovação da nossa mente tem um propósito nesta terra e é nesse ponto que o testemunho entra em foco. Pois ao criarmos pontes com diversas pessoas nos mais variados lugares em que estamos e aos quais somos enviados, podemos compartilhar quem somos pela graça salvadora de Cristo e a partir do compartilhar de nossa história pessoal com Cristo, estamos cumprindo nossa missão!

   Além de tudo o que aprendemos sobre a Bíblia e sobre a ABUB, foi possível conhecer gente de todo o Brasil e aprender com eles sobre como o movimento funciona em suas cidades e universidades. Juntos tivemos momentos de oração, reflexão, agendas pessoais, cantorias, festas e, aaaaah não poderia me esquecer disso, um momento em que compartilhamos Jesus, digo... o Guaraná Jesus! Por ser uma bebida típica de nossa cidade,  todos o IPLenses ficaram muito contentes quando, no sarau cultural, tomamos um pouco desse refrigerante missionário, rosa e docinho que é tão famoso pelo Brasil.

    Enfim, foi um tempo de muita reflexão teórica e muito aprendizado prático durante todo o processo pelo qual passamos e, não só isso: pelo qual estamos passando. Afinal, o crescimento em Cristo é algo constante que não se restringe a momentos, mas que é paulatinamente vivido diariamente. Dessa forma, agradeço ao Senhor por essa oportunidade que muito me ajudou a compreender melhor a Palavra de Deus, sua missão e nosso movimento evangelístico nas escolas, universidades, empresas e outros campos.

   Que o Santo Espírito do Senhor esteja renovando as nossas mentes, nos dando nova vida e carregando nossos seres do amor do Pai. Em Cristo, amém.

Por uma humanidade mais humana,
Por uma vida com mais vida e
Por uma liberdade mais livre...

Cristo é a resposta!

Marcos Abraão Borges Santos
Acadêmico de Psicologia, membro da ABU São Luís e 3º secretário regional de comunicação. 


10 de fevereiro de 2015

GO PALMAS!

     Preparamos um vídeo para apoiar nossos queridos companheiros de missão nas terras tocantinenses! Que Cristo Jesus com sua Graça e Espírito Santo ajude nossos amigos na missão em suas universidades! Confira logo abaixo!

video

31 de janeiro de 2015

Reunião de Diretoria e Líderes de Núcleo: Calendário e planejamento.

No dia 27 de janeiro de 2015 a diretoria local e os líderes de núcleo estiveram presentes numa reunião de planejamento do primeiro trimestre do ano!

 O objetivo foi construir um planejamento de ação do primeiro semestre de 2015.  Veja no link (ATA de reunião 27 jan - ABU SLZ ) o que rolou!





Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função.” (Efésios 4:15-16).







    Aproveitamos para divulgar o calendário do início do ano de 2015:



Deus Abençoe!!